jusbrasil.com.br
28 de Setembro de 2021

"Moral e Cívica" de Jair Messias Bolsonaro na "motociata" em SP

Sérgio Henrique da Silva Pereira, Jornalista
há 4 meses

Hoje (12/06/2021), o nosso presidente da República Jair Messias Bolsonaro na "motociata"🛵. Trata-se de ato político 🇧🇷.

"O nosso presidente?", alguns eleitores podem discordar. Sim, digo, pois, querendo ou não, ele é chefe de Estado e chefe de governo. É represente do povo brasileiro. O que faz repercute internacionalmente.

O ato político não tem nada demais em tempos de não pandemia. Bolsonaro e alguns correligionários estavam sem máscaras, que é medida sanitária.

Lembro-me, como a maioria também lembra, da frase "A lei é para todos". Na realidade, a frase é "Não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima" (Sérgio Moro).

Sim. A frase foi dita quando Moro era juiz. Referiu-se à condenação do ex-presidente da República Lula.

Moro fez parte do governo de Jair Messias Bolsonaro como ministro da Justiça. De "mocinho", o ex-juiz tornou-se "vilão da pátria" por "trair Messias".

Questão de "traição" também recaiu nos ombros da senadora Kátia Abreu (PP/TO). Kátia participa da CPI da Covid-19 e não poupou Messias pela crise sanitária no Brasil.

O Brasil está chatíssimo. Nos tempos de Lula e Dilma, a liberdade de expressão era exigida pelos defensores da liberdade e da pátria, afinal, a voz do povo é a voz de Deus. Agora, com Messias na Presidência, a liberdade de expressão tornou-se "coisa de esquerdista". Não é mais "A voz do povo é a voz de Deus" quando se repudia o comportamento do Messias na pandemia; repudiar é "A voz do capeta", ou melhor, "comunismo".

"Moral e Cívica" foi uma disciplina no Regime Militar 🤔. Penso💡 sobre comportamento🔙🔛🔝🔚🔜 de quem teve essa disciplina📖 e o momento pandêmico😷.

Em outros artigos citei uma Enciclopédia (ÁVILA, Fernando Bastosde. Pequena enciclopédia de moral e civismo. 3ª. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro, FENAME, 1978). Sim, há sobre "civismo".

Se a educação é a base para a vida cívica, não é difícil compreender sobre a importância da obediência civil no Estado Democrático de Direito, principalmente na pandemia.

Cidadania é o gozo dos direitos civis e políticos. O que é "bom exercício da cidadania"? É participar, cooperar, colaborar para a vivência pacífica, para a construção de uma pátria humanística, sem xenofobia, apatia etc.

Boas práticas da civilidade representa "civismo". Então, pode-se dizer que ser "bom cidadão" é ter comportamento solidário, ter boas práticas para com a coletividade e os bens públicos. É possível ter individualidade sem se esquecer do compromisso com a coletividade.

Qual a relação do cidadão com o Estado? Participar, racionalmente, no aperfeiçoamento das funções do Estado. E qual a primordial função do Estado na Era dos Direitos Humanos? De garantir os direitos civis, políticos, culturais, econômicos e sociais para todos os brasileiros, natos ou naturalizados, sem distinções de classe social, posição econômica, etnia, sexualidade, se agente público ou não, tipo de gênero.

Está na CRFB de 1988, o princípio da dignidade humana, os objetivos da República Federativa. Assim, ser cidadão é agir não somente nas eleições, mas de se abstecer de quaisquer comportamentos antidireitos humanos.

Ora, o uso de máscara e distanciamento social ainda representam compromissos com a coletividade, com a pátria, pois apatia não faz parte da vida cívica.

Os agentes investidos de funções públicas têm o dever de atuar pelos princípios básicos da Administração (caput, do ART. 37 da CRFB de 1988): legalidade; impessoalidade; moralidade; e publicidade.

Pensemos. O presidente da República Jair Messias Bolsonaro e seus correligionários desobedecem às medidas sanitárias. Pelo princípio da isonomia (ART. 5º, II, da CRFB de 1988), todos são iguais perante as leis. Se o presidente da República e correligionários agem dissonantes do Estado Democrático de Direito, por que crianças e adolescentes devem agir como cidadãos? É o "Estado de coisas".

O professor diz, educadamente, para o aluno não fazer barulho na aula. O aluno responde:

"O presidente da República Jair Messias Bolsonaro não respeita o Estado de Direito😁. Por que eu😀, como soberano e detentor de direitos😎, inalienáveis, imprescritíveis e intransferíveis, tenho que me comportar como você professor quer🤐? Qual a sua autoridade💪 sobre mim👉😢? Qual a autoridade do Estado🇧🇷, nesta escola pública🏛️, tem sobre mim?"

Irônico pensar sobre gerações e gerações. De uns tempos para cá, os "antigos" diziam que os "jovens de hoje" são desordeiros, malcriados etc.

Digo, os jovens de hoje serão os adultos de amanhã. Quais valores cívicos terão? Quais valores darão para a coletividade (dignidade coletiva) nas futuras pandemias?

Estudiosos alertam sobre o perigo de quem já foi vacinado: pode ficar doente; é transmissor assintomático.

É. Tempos sombrios de desprezo pelas vidas de outros seres humanos. É o país do capeta! E a Bíblia já alertava sobre o Apocalipse.

Encontrei-me também:

• Podcast https://anchor.fm/sergio-henriquespereira

• Canal Telegram https://t.me/shspjornal_oficial

• YouTube https://youtube.com/c/SergioHenriqueSPereira


5 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

30 meses sem corrupção.

Há 30 anos no poder a esquerda não ficou um só minuto sem desviar valores do erário.

Mas a corda começa a ficar tensa na caserna. continuar lendo

Obrigado pelo comentário. Saúde e paz para você e sua família.

Quanto à corrupção.

De 1891 até 1987, a "direita política" cometeu muitas corrupções. Teve escravidão, pátrio poder, legítima defesa da honra para matar adúltera, estupro marital legalizado, ditadura contra o gênero feminino, só trabalhar fora do lar doce lar com a expressa autoridade do marido, contra os LGBT+, só "dentro de casa". A "esquerda" é pecadora, por permitir poliamor, homoafetivo, enquanto a "direita" fazia filho extraconjugal e não reconhecia o "bastardo", defendia himenolatria das próprias filhas, mas as filhas dos outros "o meu filho é macho". Devirginada, pelo "bom cidadão", o estuprador teria o perdão social e jurídico se casasse com a vítima.

Bons tempos que não voltam mais.

Termino. Podridão sempre existiu, independente da ideologia política. continuar lendo

Muito bom. continuar lendo

Obrigado. Saúde e paz para você e sua família. continuar lendo

Complicado continuar lendo