jusbrasil.com.br
25 de Julho de 2021

Covid-19. "Virtude do egoísmo" ou "virtude do coletivismo"?

Sérgio Henrique da Silva Pereira, Jornalista
mês passado

A imagem acima neste artigo não é errônea.

A espécie humana é imortal. Como imortal, a procura do saber como viver bem.

As engrenagens no crânio 💀 é o pensar. E pensar não é fazer ou não fazer, por hábito condicionado. Agir por hábito pode ser prazeroso, não há necessidade de pensar por si mesmo. As leis, a moral, enfim, o "viver bem" conforme "a maioria". É o utilitarismo.

Pensar e, consequentemente, agir por si, a liberdade individual. Pensar, divergir, mas não agir, por medo de punição, não é liberdade individual.

Com certeza, tanto no liberalismo, no libertarianismo e no conservadorismo as regras sociais devem ser respeitadas: o contrato social. Ainda que exista a liberdade individual oponível ao Estado e à sociedade, o valor da vida é inerente para libertarianismo e liberalismo. Disso, não se pode violar à vida de outro ser humano. Não há justificativa para o utilitarismo.

No utilitarismo pode-se valorizar ou desvalorizar o valor da vida. Por exemplo, os EUA aproveitaram alguns nazistas, após a Segunda Guerra Mundial, na Guerra Fria (Na Guerra Fria, as agências de espionagem dos EUA usaram 1.000 nazistas [tradução livre]. Disponível em: https://www.nytimes.com/2014/10/27/us/in-cold-war-us-spy-agencies-used-1000-nazis.html). Se o povo norte-americano sabia, o utilitarismo. Se desconhecia, ao Estado todos os esforços para o bem do povo (Maquiavel). Ao aproveitar nazistas, desconsiderou todos os sofrimentos dos judeus, dos ciganos, dos LGBT+ no Holocausto Nazista.

Ayn Raind considerava o egoísmo como virtude. Não há liberdade individual quando se age pela "virtude coletiva". Por exemplo, uma criança faminta pede alimento. Pela "virtude coletiva", nenhuma criança deve ser negligenciada pela sociedade, quem é abordado pela a criança tem o dever moral e constitucional de dar algum alimento. Para Ayn, agir pelo cumprimento do "dever, coletivo", não há liberdade individual. É ser "escravo" da "maioria". Como resolver? Dar ou não alimento para a faminta criança? Pela liberdade individual, quem quiser, quando quiser. Se há o dar, por receio da "maioria": quem tem medo não é livre em si mesmo.

DESCENTRALIZAR PARA CENTRALIZAR

A humanidade vive colapsada. Se adultos se sentem perturbados por tantos conceitos filosóficos, as crianças e os adolescentes pior estão. No utilitarismo, como no nazismo, fundamentalismo religioso, eugenia e darwinismo social, não há tantas dúvidas quanto ao "bem viver". Claro, para quem é "bom cidadão", isto é, quem é considerado "normal", "autêntico", "superior", "civilizado", "de Deus".

Hoje o Brasil atingiu meio milhão de seres humanos brasileiros mortos pela Covid-19.

Num cálculo custo-benefício, as mortes nada representam: menos gastos com a Previdência Social, menos gastos com contínuos tratamentos com sequelados por planos de saúde, menos "bocas" para o Estado social "bancá-los".

Não pensem que sou "desumano", refiro-me ao custo-benefício já existente muito antes de mim. Empresas aplicam-na, a Justiça, o Poder Executivo etc.

Ora, não é possível relativizar condutas com propagandas políticas como do "Zé Gotinha".

Se há "virtude do egoísmo" em não usar máscara, não há e é impossível a tradição judaico-cristã, pois esta tem os pilares da "virtude da coletividade". Se os judeus representam um povo unido, deve-se pela "virtude do coletivismo", não a "virtude do egoísmo".

No Brasil há tantas falas e defesas de Deus. O uso de máscara é consequência da "virtude do coletivismo". No entanto, a realidade se distancia desse coletivismo. Vigora a "virtude do egoísmo", não obedecer às medidas sanitárias.

Temos, então, uma divisão no Brasil. De um lado, quem obedece às medidas sanitárias, de outro, quem não obedece.

Quem obedece às medidas sanitárias, age pela "virtude do coletivismo". Quem não obedece, pela"virtude do egoísmo". Temos uma "virtude do egoísmo coletivo" e uma "virtude do altruísmo do coletivismo".

Mas quem desdenha e desobedece às medidas sanitárias, não age pela "virtude do egoísmo"? Sim, porém, diferentemente de não violar um direito alheio, o direto à vida -- não dar alimento para uma criança faminta não é o mesmo que esfaquear uma criança --, quem não obedece às medidas sanitárias está agindo pela "virtude do egoísmo violador", por cria risco de vida para outras pessoas, pelas gotículas lançadas no ar. Negar tal fato é negar a ciência. Se não há "comprovação científica" sobre a medida profilática do uso de máscara, então a propaganda governamental para divulgação do "Zé Gotinha" é gasto público desnecessário, o que configura improbidade administrativa.

Professora Maria Sylvia Zanella de Pietro:

"Não é preciso penetrar na intenção do agente, porque do próprio objeto resulta a imoralidade. Isto ocorre quando o conteúdo de determinado ato contrariar o senso comum de honestidade, retidão, equilíbrio, justiça, respeito à dignidade do ser humano, à boa fé, ao trabalho, à ética das instituições. A moralidade exige proporcionalidade entre os meios e os fins a atingir; entre os sacrifícios impostos à maioria dos cidadãos. Por Isso mesmo , a imoralidade salta aos olhos quando a Administração Pública é pródiga em despesas legais, porém inúteis, como propaganda ou mordomia, quando a população precisa de assistência médica, alimentação, moradia e segurança, educação, isso sem falar no mínimo indispensável à existência digna."(ALBURQUERQUE, Eric Samanho de. Direito Administrativo Eric Samanho de Alburquerque Brasília Fortium 2008)

Mas, como mencionei, a "virtude do egoísmo" não se importa com o Direito Administrativo, ou seja, o Estado de Direito é uma "violação" da liberdade individual.

Se há o direito natural na "virtude do egoísmo" em não dar alimento para criança faminta -- se a criança morrer, não foi por culpa de quem não deu alimento; violar seria dar, conscientemente, alimento contaminado ou envenenado --, não há "violação" quando não se usa máscara. Essa propositura é falaciosa, pois transitar nas vias públicas sem o uso de máscara, vacinado ou não, pode infectar outro ser humano, o que viola o direito natural de outro ser humano.

Se várias pessoas não querem usar máscaras, pela "virtude do egoísmo", deve ser em local para tais pessoas, não nas vias públicas.

Então o Estado não pode intervir no direito de propriedade para coibir aglomeração? Depende. Se a propriedade esta dentro de redoma, o ar não vai para a atmosfera, a "virtude do egoísmo" pode ser aplicada. E podem sair da redoma? Só com máscara! E antes de sair, testagem para saber se está com vírus.

ECONOMIA

Se há "virtude do egoísmo", também há direito de propriedade. Quem não tem como pagar por tratamento em hospital privado deve ir para hospital público. Nada disso! Hospital público é pacto social, é "virtude do coletivismo". Pode alguém defensor da "virtude do egoísmo" ajudar outro adepto da "virtude do egoísmo"? Sim! Porém, não é obrigado.

O doente, defensor da "virtude do egoísmo", com certeza, implorará para outro ser humano, defensor da "virtude do coletivismo", por solidariedade: o socorro.

Termino. Pensar e, consequentemente, agir por si, a liberdade individual. Pensar e divergir, mas não agir, por medo de punição, não é liberdade individual.

É possível defender a "virtude do egoísmo" na pandemia?

Quanto à imagem no intróito. É possível celebrar vacinação, economia, ou qualquer outra coisa, com meio milhão de mortes?

Se possível? "Virtude do egoísmo".

Encontrei-me também:

• Podcast https://anchor.fm/sergio-henriquespereira

• Canal Telegram https://t.me/shspjornal_oficial

• YouTube https://youtube.com/c/SergioHenriqueSPereira


3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Boa noite pra mim a Virtude do Egoísmo
Com a Reforma Trabalhista já está sendo um bom exemplo disso
As Empresas agora tem a possibilidade de "explorar mais fácil mão de obra e descartar você como se fosse um objeto sem encargos trabalhistas e sem nem te dar explicação. Eu tô passando por Isso em um trabalho com aplicativo de Delivery é muito complicado você se sente abandonado .
você vai procurar ajuda simplesmente te ignoram por todos os canais deles de comunicação e você vai olhar os termos de os caras e tudo unilateral os caras não tem responsabilidade nenhuma por ti e tudo por sua conta
Milhões de pessoas vivem e seguira vivendo nestas Situações até quando ?
Mas e aquela coisa você e somente um entregador a prioridade e o Cliente
Pelo menos ao meu ver a virtude do Egoísmo cresce cada vez mais nesses moldes de relação trabalhista por exemplo
A prioridade e sempre os interesses econômicos dos" patrões "e o proletariado industrial ou seja lá quem for que fizer parte deste rol .Mas a maioria desta geração minha atual será esquecida e descartada e isso acontece porque e mais benefico até para o sistema do país e de empresas menos pessoas para disputa de cargos.menos dinheiro pra eles" gastarem "com pessoas e ao contrário investir na tecnologia que poderá ser bem mais facilmente manipulada do que o ser humano para executar uma tarefa não prazerosa e mal remunerada que a máquina pode executar em seu lugar com mais eficácia e sem grandes problemas para o empregador ter que se desdobrar

Isso tudo ao meu ver e uma tentativa de controle e diminuição da população e com esses mecanismos de trabalho por exemplo prejudica uma condição de vida prolongada dos seres humanos desta geração para a as posteriores pois não haverá nem aposentados mais
Infelizmente nem todos vai aguentar trabalhar muito tempo sem contar os aposentados então seguindo a linha de raciocínio de que os ricos sempre tem a vantagem de se sobressair economicamente as pessoas a virtude do Egoísmo e a que mais provável da atualidade continuar lendo

Sim. O ser humano tem valor, de mercado. Nossos corpos, nossas imagens, nossas condições sociais, nossas ideias, tudo depende do "valor reconhecimento" do mercado. Porém, o "mercado" é mito construído pelos seres humanos. Ainda que "espécie humana", não quer dizer "dignidade humana à espécie humana".

Bombeiros deixam casa queimar

"Bombeiros na zona rural do Tennessee deixaram uma casa queimar na semana passada porque o dono da casa não pagou uma taxa de 75 dólares.

Gene Cranick do condado de Obion e sua família perderam todos os seus pertences no incêndio de 29 de setembro, juntamente com três cães e um gato.

'Eles poderiam ter sido salvos se tivessem colocado água nele, mas não o fizeram', disse Cranick a Keith Olbermann, da MSNBC.

O fogo começou quando o neto dos Cranicks estava queimando lixo perto da casa da família. À medida que estava fora de controle, os Cranicks ligaram para o 911, mas os bombeiros da cidade vizinha de South Fulton não responderam.

'Não estávamos na lista deles', disse ele, disseram os operadores.

Cranick, que mora fora dos limites da cidade, admite que" esqueceu " de pagar a taxa anual de US$ 75. O condado não tem um serviço de combate a incêndios em todo o condado, mas South Fulton oferece cobertura de incêndio para os moradores rurais por uma taxa.

Cranick disse ao operador que pagaria o que fosse necessário para apagar o fogo.

Sua oferta não foi aceita, ele disse.

A política de taxa de incêndio data de 20 anos atrás.

'Qualquer um que não esteja dentro dos limites da cidade de South Fulton, é um serviço que oferecemos. Ou eles aceitam ou não', disse o prefeito de South Fulton, David Crocker.

A decisão dos bombeiros de deixar a casa queimar foi 'incrivelmente irresponsável', disse o presidente de uma associação que representa os bombeiros. [tradução livre. No pay, no spray: Firefighters let home burn (nbcnews.com) continuar lendo

Não vou usar "virtude do egoísmo" não considero virtude o egoísmo, me perdoe Doutor, coloco o egoísmo, num "saco" junto com a avareza, com a ambição, com o charlatanismo e a cafajestagem, estas criaturas, teem algo em comum; a má formação de caráter, não usar máscaras e etcs, deveria sim ser alvo de penalidade severa, o medo de punição, considero uma forma de obrigar a ter respeito. Direito ao alimento deveria ser obrigatório, Ouço sempre o seguinte; a escola ensina, prepara para o futuro, a família cabe educar ensinar valores morais, nem sempre é o que acontece. Encontramos pessoas mal educadas dentro de famílias de boa conduta. continuar lendo