jusbrasil.com.br
18 de Outubro de 2019

Resumo dos tipos de eleitores brasileiros

Sérgio Henrique da Silva Pereira, Jornalista
ano passado

Acima, com certeza, a Defensoria Pública é considerada "protetora de bandidos".

PRÓLOGO

As polarizações no Brasil entre "direita" e "esquerda" fortaleceram movimentos sociais como "Bíblia Sim, Constituição Não!". Na Onda Conservadora — e o que é ser conservador diante das mudanças ocorridas ao longo dos séculos —, quem não está de acordo com os preceitos conservadores, não ganha votos substanciais. Isso aconteceu com Marina Silva, da Rede. Ela não teve o mesmo desempenho nas eleições de 2014. Quem surpreendeu foi Cabo Daciolo, do Patriotas. Com pouco tempo, mas incisivo em seus discursos, Daciolo cativou os cristãos menos radicais. Por exemplo, Daciolo é contra as armas, enquanto Jair Bolsonaro é a favor da posse e do porte de arma de fogo.

Em outro vídeo, no Debate no SBT:

ARMA DE FOGO. DEFESA OU ÓDIO?

Desde o Estatuto do Desarmamento regulamentar a posse porte de arma de fogo no território nacional, pessoas contra o "desarmamento" não gostaram. Há, claro, o Lobby das Armas, ou seja, empresários ficaram descontentes com a medida. O problema não está na arma, mas quem vai usá-la. Contudo, seguindo os estudos de Richard e Kate — livro The Spirit Level —, as desigualdades sociais causam seriíssimos transtornos para o convício social. Não se trata, somente, das desigualdades econômicas entre as classes sociais, mas, o núcleo, como os cidadãos se comportam com as diferenças em geral. No livro, os pesquisadores Kate e Richard iniciam o assunto com a teoria da personalidade de Alfred Adler, ex-discípulo de Sigmund Freud. Ou seja, o complexo de inferioridade, por questões educacionais, pelos padrões culturais de "certo" e "errado", no caso os costumes, geram vários conflitos sociais, várias doenças físicas e psíquicas.

No Brasil, secularmente, as desigualdades sociais são frutos de ideologias discriminantes. Darwinismo social, Teoria do Branqueamento, Eugenias, positiva e negativa. Dessas pseudociências, neuroses sociais. Outra pseudociência, aplicada no Brasil nos séculos XIX e XX, a criminologia positiva de Cesare Lombroso. Em La donna delinquente: la prostituta e la donna normale (A mulher delinquente A prostituta e a mulher normal ), a mulher não obediente aos ditames do que seja comportamento feminino correto era considerada "criminosa nata". Para Lombroso, a mulher com status social positivo t não age contra os mandos do marido, não tem comportamento de prostituta, como gesticular, falar, trajar etc. É possível compreender que muitas mulheres, principalmente com conceitos feministas, não ficaram longe das grades dos presídios, das internações psiquiátricas.

Dizer que antes do Estatuto todos os brasileiros tinham armas de fogo é dizer que desde 1891 jamais existiu brasileiros como miseráveis ou entre miséria e mínimo existencial. Assim, arma de fogo, de forma legal, isto é, em obediência às leis para comercialização, porte e posse de arma, de 1891 até 2002 — o Estatuto do Desarmamento data de 2003 — sempre foi para pouquíssimos brasileiros, com condições de comprar arma. Algum cidadão na situação de miserável terá dinheiro para comprar arma? Se o problema da habitação no Brasil data desde 1891, como um "miserável" iria comprar uma arma de fogo se não tinha para comprar comida, comprar propriedade privada?

Artigo O Estado versus libertários, o direito de matar em legítima defesa:

ORDENAMENTO JURÍDICO PÁTRIO

No ordenamento jurídico brasileiro, a legítima defesa é possível [permitida pelo Estado]:

"Art. 25 - Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem." (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

A VISÃO LIBERTÁRIA DE JAIR BOLSONARO NO ESTADO DE GUERRA

O deputado Jair Bolsonaro apresentou à Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 7104/14. Em síntese, o possuidor ou o proprietário têm o direito de defender o imóvel. O Projeto de Lei 7104/14 garante o pleno Direito Natural de agir, defender e proteger contra qualquer estranho. Por que eu não disse bandido? Recorda do exemplo entre João e o estranho? João não tinha plena convicção sobre o comportamento e intenções do estranho. Ao ver o estranho, João, pelo Direito Natural [libertários], tem o direito de defender, impedir o trânsito, em sua propriedade, de pessoas não autorizadas. João vê o estranho em sua propriedade, e resolve cessar a "invasão" [legítima defesa putativa ou imaginária].

É de conhecimento da maioria dos brasileiros sobre abusos de autoridades. Por exemplo, no Rio de Janeiro, a Intervenção Militar causou violações de direitos humanos. Não se pode "levar flores" para os traficantes, porém não se pode sobrevoar as residências e, do alto, atirar com metralhadora acoplada no helicóptero.

Há nas redes sociais vídeos de abusos de autoridades. Destaco um, no meu canal:

Com o "verniz civilizatório" brasileiro, sempre precário, vamos imaginar que os policiais tentam prender, por "desacato", a advogada. Ela armada, então, saca sua arma para legítima defesa.

Vídeo abaixo:

Anos de 1980. Se a situação de qualquer LGBT é dificílima, no sentido de dignidade e, principalmente, não ser morto, imagine até 1987. Com as atuais endemonizações aos LGBTs, de que estão querendo tornar crianças e adolescentes em gays, imagine que, pelo direito de posse e porte de arma grupo de LGBT age contra outro grupo antiLGBTs?

Outro vídeo:

Moradores de comunidades carentes. Como irão comprar armas? Como irão comprar munições? "Bolsa Arma"? Vamos imaginar que todos os cidadãos de bem, nas comunidades carentes, tinham armas de fogo. Policiais, não todos, resolvem invadir residências; não há mandado, não há flagrante delito, não há perseguição policial. Enfim, os policiais resolvem dar "uma geral" para encontrar drogas. Pelo PL de Jair Bolsonaro, qualquer cidadão, no caso de morador de comunidade carente, pode se defender. E se todos os moradores, ali presentes, sacarem suas armas para conter os policiais "abusados" (abuso de autoridade"? Primeiramente, pela Supremacia do Interesse Público, os policiais estão" protegidos ", em regra, pelas suas veracidades, a de que os moradores agiram dolosamente. A salvação, para os moradores, alguma gravação, desde o início, dos abusos dos policiais.

IDEOLOGIA PARA SE VIVER

1) Ideologia" Direita religiosa "

  • Família tradicional — somente casamento entre homens e mulheres heterossexuais. Homem e mulher participam da educação dos filhos (as), todavia a mulher deve ficar em casa, nos primeiros anos, para educar os filhos, ou seja, nada de o bebê ficar nas mãos de outras pessoas. Não é uma regra, podem os genitores contratarem babá, mas a educação, de excelência, aos valores dos pais, deve ser por eles mesmos. Ambos, homem e mulher, possuem condições de educarem os próprios filhos, não há relação de" superior "ou" inferior ";
  • Pena de morte — A Santa Sé anunciou a nova redação do parágrafo 2267 do Catecismo da Igreja Católica. A Pena Capital é contra a dignidade humana. É possível, como último recurso, em caso de legítima defesa. Ou seja, a vida em si tem valor supremo, imediato e não pode ser relativizada, coisificada;
  • Mulher — não há possibilidade de qualquer violência à mulher. Há possibilidade de diferenciação de condutas entre homem e mulher; a mulher é conceituada como dócil, compreensiva e, por isso, está capacitada, algo como dom, para acalmar o homem. Homem e mulher são passíveis de erros, não há" dois pesos e duas medidas ". O homem, por sua natureza, é mais dinâmico, inquieto, impulsivo.
  • LGBT — A permissão é" seja camuflado ". Ou seja, que a sociedade heteronormativa não presencie gays se beijando nas vias públicas, nos elevadores, restaurantes. Os parceiros (as) ativo (a) e passivo (a), como designam os conservadores, devem se comportar pela heteronormatividade, isto é, o homem biológico não deve ter trejeitos femininos, a mulher biológica não deve ter trejeitos masculinos, ambos devem se vestir adequadamente, conforme o padrão normatizado sobre indumentária correta para" homem "e" mulher "cisgêneros. Em síntese, homem e mulher gays devem se comportar como cisgêneros à luz da sociedade. Não há possibilidade de casamento gay tanto no civil como, principalmente, no religioso. A religião pode fazer com que o LGBT" mude "sua condição. A ajuda de psicoterapia poderá, também, ajudar na" mudança "do" desvio de comportamento ";
  • Educação sexual — O Estado não deve ensinar, o dever recai sobre os pais conforme suas crenças, sempre cristã. Quanto à educação sexual, tabus e dogmas. Cartilhas sobre educação sexual são consideras" perversão gay "," promiscuidade nas escolas "," indução LGBT ".
  • Crença — Oficialmente é judaico-cristianismo. As demais podem existir, desde o momento que não se externalizem nas vias públicas e sejam discretíssimas.
  • Indumentária — O corpo continua a ser objeto de desejos que podem levar ao pecado e, consequentemente, condenação eterna. Por isso, a indumentária deve cobrir boa parte do corpo. Por exemplo, saia até os joelhos, calça não apertada, proibição de andar nas vias públicas com calças tipo academia (Poliamida X Poliéster), que são apertadíssimas no corpo, pior se transparente;
  • Sexualidade — Quando adulto, a pessoa escolhe o que quer ser, como se tivesse um interruptor de" liga ou desliga ". Mesmo assim, a conduta deve obedecer à heteronormatividade;
  • Drogas — Proibição, salvo quando for adulto e dentro de limites razoáveis, como aniversários etc. A pessoa deve ter o controle sobre si. O dependente químico é percebido como um indivíduo que merece ajuda médica e, principalmente, médica;
  • Economia em geral — A economia deve ser de tal forma que todos os brasileiros tenham condições de vida digna. O Estado pode ajudar, conquanto o próprio Estado não seja um eterno provedor. As instituições religiosas têm um dever moral de ajudar as pessoas necessitadas. Os cidadãos, os quais recebem ajuda, não devem se acomodar, devem procurar emprego. A economia não pode transformar o ser humano em objeto de consumo, isto é, descartável. Por exemplo, os empresários das indústrias de bebidas alcoólicas, assim como de cigarros de tabacos, não pensam no bem-estar dos consumidores, mas na lucratividade. O ser humano não pode ser um fim para gerar lucro. Assim, o Estado deve intervir na economia para proibir que os consumidores sejam persuadidos pelas publicidades para consumo de drogas (cigarro de tabaco ou maconha, cocaína, bebida alcoólica etc.);
  • Crime — O crime deve ser combatido, indiferentemente se colarinho branco ou não. O criminoso pode ser ressocializado. Para isso, o Estado deve dar condições. A crença (judaico-cristianismo) tem função primordial na reabilitação e ressocialização do preso. A pena de morte não é permitida, somente em caso de legítima defesa e estado de necessidade;
  • Instituições educacionais — Ensinarem valores que possam tornar o convívio pacífico. Cada qual, indiferentemente de etnia, crença, sexualidade, se pessoa com necessidades específicas ou não, se agente público ou não, deve agir para o bem comum. O respeito, a solidariedade, a cordialidade;
  • Comunismo — Uma mal que deve ser combatido. Se uma pessoa é comunista, o uso da liberdade de expressão representa possibilidade de regatar a pessoa para o" lado bom ";
  • Aborto — há exceção, quando a gestante corre risco de vida. O uso de método contraceptivo é possível, porém a excelência para se evitar gravidez indesejada é ter responsabilidade, ou seja, o ato sexual não deve ser praticado pelo puro prazer, pelo momento, principalmente quando se está sob efeito de droga, lícita ou ilícita. Drogas, então, deixam a pessoa sem noção da realidade.

2) Ideologia" Ultradireita religiosa "

  • Família tradicional — casamento entre homens e mulheres heterossexuais. Homem e mulher participam da educação dos filhos (as), todavia a mulher deve ficar em casa, nos primeiros anos, para educar os filhos, ou seja, nada de ficar nas mãos de outras pessoas. Não é uma regra, podem os genitores contratarem babá, mas a educação, de excelência, são os valores dos pais, os valores transmitidos diretamente por eles mesmos. Contudo, o homem sempre é a voz ativa, direcionadora, educadora. As mulheres devem agir conforme os ditames de seu marido, de seu pai, de seu irmão, de seu empregador. Ou seja, o homem heterossexual é a voz suprema;
  • Pena de morte — é imperioso para o bem da sociedade;
  • Mulher — O limite da autonomia e autopossessão da mulher está condicionada ao poder do homem. O erro da mulher é imperdoável, o erro do homem é uma fraqueza momentânea;
  • LGBT — A conduta é" inexistência de LGBT ". Não há possibilidade de casamento gay tanto no civil como, principalmente, no religioso. Perseguições aos LGBTs são possíveis, para evitar que outros cidadãos" virem gays "pela" má influência ". A religião deve ser incisiva, LGBT é maldição e deve ser combatido com todos os meios possíveis, principalmente pela atuação do Estado em condenar posturas de" personalidades desajustadas ".
  • Educação sexual — O Estado não deve ensinar, o dever recai sobre os pais conforme suas crenças. A crença oficial é judaico-cristã. A rigidez quanto ao combate aos LGBTs deve ser constante, eficaz. Recomendo assistir"Porque a Bíblia Me Diz Assim". Sendo o corpo uma mal, de pecado, tudo que se relaciona ao prazer deve ser combatido. Educação sexual conforme os ditames religiosos, sem qualquer participação da" Ciência dos Homens ". Essa ciência é a ciência do livre pensar, como aconteceu com Sócrates, Giordano Bruno, Immanuel Kant, Descartes etc.
  • Crença — Oficialmente é judaico-cristianismo. As demais não podem existir. Perseguições, destruições de templos, repúdios em público. Algumas" técnicas "para expulsar os" hereges ";
  • Indumentária — O corpo continua a ser objeto de desejos que levam ao pecado e, consequentemente, condenação eterna. Por isso, a indumentária deve cobrir a totalidade do corpo. Por exemplo, saia abaixo joelhos, calça não apertada, proibição de andar nas vias públicas com calças tipo academia (Poliamida X Poliéster), que são apertadíssimas no corpo, pior se transparente. A sexualidade deve ser tratada com rigor e máxima vigilância. Beijo em público, mesmo sendo entre heterossexuais, não é permitido;
  • Sexualidade — heteronormatividade. Não há margem para outro tipo. Instituições religiosas e Estado devem coibir (vigiar e punir) qualquer conduta" desajustada "e" imoral ". Os pais devem agir desde os primeiros anos de vida da criança. É admitido corretivos físicos, sem limites, ameaças verbais. Os métodos devem garantir sucesso;
  • Drogas — são totalmente proibidas. O usuário, mesmo em momento de confraternização, é desprezível. Todo e qualquer dependente químico é um fraco de espírito, não merece qualquer consideração. O Estado, por meio do" vigiar e punir "deve ser enérgico, o encarceramento sempre é obrigatório, sem regimes de progressões de penas;
  • Economia em geral — O Estado não deve intervir na economia, isto é, a livre inciativa deve ser totalmente isenta do controle do Estado. Cada qual tem que trabalhar para conseguir a própria sobrevivência. Somente os fortes sobrevivem. Exemplo de"conservador, nos costumes, liberal, na economia. O art. 135-A, cuja redação é "Exigir cheque-caução, nota promissória ou qualquer garantia, bem como o preenchimento prévio de formulários administrativos, como condição para o atendimento médico-hospitalar emergencial: (Incluído pela Lei nº 12.653, de 2012). Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa. (Incluído pela Lei nº 12.653, de 2012). Parágrafo único. A pena é aumentada até o dobro se da negativa de atendimento resulta lesão corporal de natureza grave, e até o triplo se resulta a morte. (Incluído pela Lei nº 12.653, de 2012)" é coação do Estado, em síntese é "comunismo". O proprietário do hospital, ou clínica, tem o direito de exigir cheque-caução. Se na condição para o atendimento médico-hospitalar emergencial o indivíduo não der o cheque preenchido, antes de qualquer procedimento médico, os seguranças do hospital ou da clínica podem expulsar o indivíduo que necessita de atendimento médico-hospitalar emergencial. Se o indivíduo, expulso pelos seguranças, morrer, não há crime (art. 135-A, do DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940);
  • Crime — O crime deve ser combatido, indiferentemente se colarinho branco ou não. O criminoso deve apodrecer na cadeia. Máxima: "Olho por olho, dente por dente" (lei de talião). Não há desculpa se o furto é famélico ou não;
  • Instituições educacionais — Ensinarem valores que possam tornar o convívio pacífico. Todavia, brasileiros que sejam nacionalistas (xenofobia, tradição judaico-cristã, heteronormatividade, Código Penal do Inimigo aos inimigos). No caso de "inimigos", todo e qualquer ser humano que aja contra o utilitarismo ultradireita religiosa;
  • Comunismo — todo comunista deve ser exterminado, não importa se crianças, adolescentes, adultos ou idosos;
  • Etnias — é possível o "branqueamento" da etnia negra, isto é, fazer com que a etnia negra incorpore em sua vida o comportamento étnico branco. Todavia, o "correto" é exterminar os negros. A regra é o extermínio, a exceção é o "branqueamento".

3) Conservadores liberais

Conservadores nos costumes, liberais na economia. Não há uma regra, se "ultradireita religiosa" ou "direita religiosa". As Teorias das Conspirações são diversas na internet. O livro O Comunismo Nu (The Naked Communist) virou um best-seller anticomunista para os conservadores. O extraordinário é presenciar pessoas que se dizem "liberais" (filosofia liberal) defendendo anticomunismo. Primeiramente, nenhum verdadeiro liberal irá se opor ao casamento gay, a adoção de crianças por casais gays. A liberdade de expressão é uma das máximas sobre liberdade individual. O aborto, para os liberais, não é pecado, não pode ser proibido pelo Estado, por qualquer crença. O livro Comunismo Nu é tão somente um manual de sobrevivência ao conservadorismo dos valores tradicionais, até os anos de 1950, dos EUA.

No livro Capitalismo e Liberdade, de Milton Friendman:

"Como sugere esse exemplo, os grupos de nossa sociedade que têm mais razões para preservar e fortalecer o capitalismo competitivo são os minoritários - que podem mais facilmente tornar o objeto de desconfiança e hostilidade da maioria: os negros, os judeus, os estrangeiros, para mencionar somente os mais óbvios. Entretanto, e paradoxalmente, os inimigos do mercado livre — os socialistas e os comunistas — foram recrutados numa proporção bem grande nesses próprios grupos. Em vez de reconhecer que a existência do mercado os protegeu das atitudes de seus compatriotas, eles erradamente atribuem a discriminação ao mercado."

Trecho acima soa muito instigante. Instigante no sentido de que quando o Estado age, age como ditador, algo como "comunismo".

Transcrevo, do livro Justiça: O que é fazer a coisa certa:

" Canibalismo consensual
Em 2001, um estranho encontro teve lugar na cidade alemã de Rotenburg. BerndJurgen Brandes, um engenheiro de software de 43 anos, respondeu a um anúncio na internet que procurava alguém disposto a ser morto e comido. O anúncio havia sido colocado por Armin Meiwes, técnico de informática de 42 anos. Meiwes não oferecia compensação financeira, apenas a experiência em si. Cerca de duzentas pessoas responderam ao anúncio. Quatro foram até a fazenda de Meiwes para uma entrevista, mas decidiram que não estavam interessadas. Brandes, entretanto, depois de uma conversa informal com Meiwes, resolveu aceitar a proposta. Meiwes matou seu visitante, cortou o corpo dele em pedaços e os guardou em sacos plásticos no freezer.
Quando foi preso, o “Canibal de Rotenburg” já havia comido quase vinte quilos de sua vítima voluntária, cozinhando partes dela em azeite de oliva e alho. Meiwes foi levado a julgamento e seu caso chocante fascinou o público, chegando a confundir o júri. A Alemanha não tem leis contrárias ao canibalismo. O acusado não poderia ser condenado por assassinato, segundo a defesa, porque a vítima participara voluntariamente da própria morte. O advogado de Meiwes alegou que seu cliente só poderia ser acusado pelo crime de “matar por solicitação”, uma forma de suicídio assistido cuja pena não ultrapassa cinco anos. A corte resolveu a questão indiciando Meiwes por homicídio involuntário e condenando-o a oito anos e meio de reclusão. Dois anos mais tarde, no entanto, uma corte de apelação considerou a sentença muito branda e o condenou à prisão perpétua. A história sórdida teve um desfecho inusitado, e o assassino canibal tornou-se declaradamente vegetariano na prisão, alegando que a criação de animais de corte seria desumana.
" Os benefícios do câncer de pulmão
A Philip Morris, uma companhia de tabaco, tem ampla atuação na República Tcheca, onde o tabagismo continua popular e socialmente aceitável. Preocupado com os crescentes custos dos cuidados médicos em consequência do fumo, o governo tcheco pensou, recentemente, em aumentar a taxação sobre o cigarro. Na esperança de conter o aumento dos impostos, a Philip Morris encomendou uma análise do custo-benefício dos efeitos do tabagismo no orçamento do país. O estudo descobriu que o governo efetivamente lucra mais do que perde com o consumo de cigarros pela população. O motivo: embora os fumantes, em vida, imponham altos custos médicos ao orçamento, eles morrem cedo e, assim, poupam o governo de consideráveis somas em tratamentos de saúde, pensões e abrigo para os idosos. De acordo com o estudo, uma vez levados em conta os “efeitos positivos” do tabagismo — incluindo a receita com os impostos e a economia com a morte prematura dos fumantes —, o lucro líquido para o tesouro é de 147 milhões de dólares por ano.
A análise de custo e benefício foi um desastre de relações públicas para a Philip Morris. “Companhias de tabaco costumavam negar que o cigarro matasse”, escreveu um comentarista. “Agora, elas se gabam disso.”10 Um grupo antitabagista publicou matérias pagas em jornais mostrando o pé de um cadáver em um necrotério com a etiqueta “US$ 1,227” presa ao dedo, representando a economia do governo tcheco com cada morte causada pelo cigarro. Diante do ultraje público e ridicularizado, o diretor executivo da Philip Morris se desculpou, reconhecendo que o estudo mostrava “um desrespeito absolutamente inaceitável pelos valores humanos básicos”.
Alguns diriam que o estudo da Philip Morris mostra o desatino moral da análise de custo e benefício e do pensamento utilitarista que sustenta. Encarar a morte por câncer de pulmão como um benefício final realmente mostra um inominável desrespeito pela vida humana. Qualquer diretriz moralmente defensável em relação ao tabagismo deveria considerar não apenas os efeitos fiscais, mas também as consequências para a saúde pública e para o bem-estar social.
Entretanto, um utilitarista não negaria a relevância dessas consequências mais amplas — a dor e o sofrimento, as famílias enlutadas, a perda da vida. Bentham criou o conceito da utilidade precisamente para capturar, em uma única escala, a natureza discrepante das coisas com as quais nos importamos, incluindo o valor da vida humana. Para alguém que pense como ele, o estudo sobre o tabagismo não nega os princípios utilitaristas, simplesmente os aplica de forma equivocada. Uma análise mais ampla de custo e benefício acrescentaria ao cálculo moral uma quantia que representasse o custo da morte prematura para o fumante e sua família e o confrontaria com a economia que essa morte traria para o governo."

Casamento gay, adoção de crianças por casais gays, aborto, movimentos feministas. Comunistas ou libertários? Para os comunistas/socialistas, o Estado não pode servir de meio para poucas famílias atingirem os seus fins. Aliás, Adam Smith era contra o colonialismo, a interferência de um Estado em outro Estado. Smith também era contra qualquer tipo de monopólio dentro de qualquer país. As riquezas de uma nação deveriam atender aos cidadãos, sem qualquer tipo de discriminação. A Mão Invisível garantiria, pela competitividade, não desleal (antimonopólio), a diminuição da desigualdade social.

4) Liberais

  • Família — o Estado não pode agir, no sentido de permitir ou não permitir casamento gay. O Estado, então, irá descriminalizar e legalizar o casamento gay. Quanto ao legalizar, não haverá nenhum" por menor "sobre quais as condições para casamento. A adoção de crianças por casais gays não tem qualquer obstáculo, no sentido de legalização e suas condições;
  • Economia — há dois tipos de liberais. A) Liberal racional. Há o liberal que se rege pela ética moral (imperativo categórico) da não agressão ou Princípio da Não Agressão (PNA). Por exemplo, produto faz mal à saúde. O fornecedor tem plena ciência, como no caso do Escândalo da Volkswagen, (1) dos malefícios. A omissão de tal fato aos consumidores e, consequentemente, poluição atmosférica e doenças (2) é uma violência. Essa violência fere o direito natural de outra pessoa. Fere, também o contrato social, cada qual abre mão de sua vontade para o bem de todos. B) Liberal Filosofia da Alcova. Por sua vez, há o liberal tipo" Pirronismo ". Por exemplo, Milton Friedman (3) considerou que cruzar uma pista de rolamento também oferece perigo. Quando haverá acidente é algo que não se pode prever." Pirrorismo "é uma filosofia cética, isto é," ninguém sabe de nada ". O filósofo Pirro de Élida dizia que tudo é incerto, sendo incerto todo ser humano deve duvidar de tudo, questionar tudo que se apresente aos seus sentidos físicos. Diferentemente de Sócrates e Platão, também céticos, os céticos radicais evitavam manter opiniões sólidas, por ser tudo improvável. Por exemplo, um penhasco é um perigo. Ao ver um penhasco, a pessoa pode pensar no perigo de andar até terminar o solo no qual pisa. A queda livre causará lesões e, provavelmente, morte. Para Pirro, por ninguém saber realmente sobre nada, o medo engana, assim como as dúvidas, as deformações de interpretações pelos cinco sentidos, a pessoa deveria continuar andando. Pirro era extremamente cético, por isso, os seus amigos, não tão cético como ele, sempre ficavam de olhos bem abertos para evitar que Pirro se ferisse, ou coisa pior. (4) O liberal da Alcova tem consciência do que faz, mas usa do ceticismo para garantir que seus produtos sejam comercializados. Outro fundamental conceito de vida que o liberal da Alcova usa é o niilismo. Cada qual deve garantir sua vontade de potência, sem limites. Quem gosta de ingerir bebida alcoólica, beba até não der mais. Quem gosta de aspirar fumaça de cigarro, aspire o quanto quiser;
  • Religião — o Estado não pode ter qualquer influência de qualquer religião ou filosofia. Sem valores morais, por exemplo, o" canibalismo consensual "é permitido. Nesse diapasão, outro exemplo," balinhas sortidas "também seria permitido. Um adulto poderia negociar" balinhas "com uma criança de cinco anos. A pederastia também poderia ser aplicada. Isso não quer dizer que o Estado não defenda as religiões. Essa" defesa "é permitir que qualquer religião, cristã, islâmica, africana etc., possa ser praticada livremente;
  • Emprego — livre negociação entre empregadores e empregados. Isso vale dizer, caso o empregador exija que o empregado faça exame médico para comprovar se pode ou não trabalhar na empresa, o empregador pode exigir. O entrevistado para ocupar cargo na empresa pode negociar o tipo de plano de saúde que quer. Logicamente o empresário irá ou não aceitar. Pode, também, o empregador não fornecer qualquer tipo de plano de saúde. Pode o empregador exigir equipamento de proteção individual ao empregado. Isso não quer dizer que o equipamento seja obrigatório pela imposição do Estado (Direito Trabalhista). Por exemplo, o técnico em segurança do trabalho irá fiscalizar o cumprimento da exigência, pela empresa, de uso de equipamento pelos empregados. Pode a empresa não fornecer, mas exigir que o próprio empregado compre o seu equipamento. Digamos que algum empregado quer trabalhar, mas não tem dinheiro para comprar o equipamento de proteção individual. A empresa poderá vender o equipamento, poderá emprestar, por comodato, o equipamento. Poderá, ainda, a empresa deixar o empregador, sob prévio contrato, trabalhar sem equipamento de proteção individual. Alguns poderão dizer que é “desumano” deixar o trabalhador, sem condições de comprar equipamento de proteção individual, expor-se ao perigo. Não é. O que importa não é a condição econômica do sujeito, mas o seu consentimento. Se há consentimento, isto é, se o entrevistado para vaga fica ciente de que ele terá que comprar o próprio equipamento de proteção individual para trabalhar na empresa, ou assina termo de responsabilidade, em caso de não ter como comprar, sobre escolha de trabalhar sem equipamento, o contrato é válido. Pode aqui ingressar o ceticismo de Pirro. Quando a pessoa morrerá, independentemente se trabalhar em local perigoso ou insalubre, é questão de" acontecimento da vida ";
  • Segurança — A segurança nas vias públicas deve ser prestada pelo particular (empresa particular). Polícia Militar inexiste. Cada cidadão pagará pela própria segurança pela contratação de empresa especializada em segurança. A única segurança que o Estado deve dar é por meio das Forças Armadas. O alistamento obrigatório inexiste. Sendo assim, a possibilidade de o Estado pagar para ter soldados nas Forças Armadas; a contratação pode ser por nacionais ou estrangeiros. Já que estamos falando de segurança, não existe Corpo de Bombeiros Militar. Existe Corpo de Bombeiros Civil. Nesse, cada cidadão terá que pagar para ter serviço contra incêndio. Se, por acaso, o contratante deixar de honra o pagamento, o Corpo de Bombeiros Civil não tem nenhuma obrigação de socorrer. Os funcionários da empresa poderão ir ao local para proteger os demais clientes. Por exemplo, uma casa em chamas. Os proprietários dessa casa estão inadimplentes. Os pais conseguiram sair de dentro da residência, um dos filhos, de cinco anos de idade, não conseguiu sair de dentro da casa. Os bombeiros civis não são obrigados, já que os proprietários estão inadimplentes, a resgatar a criança de dentro do imóvel em chamas, muito menos estão obrigados a emprestarem qualquer equipamento de proteção individual. O que está no contrato deve ser honrado;
  • Saúde — Inexiste Sistema Único de Saúde. Existe Saúde Privatizada. A qualidade do serviço depende do pagamento. Quanto maior o valor da contribuição melhor o atendimento hospitalar e médico. É possível" fura fila ". Mesmo com plano de saúde particular, a empresa pode cobrar por" serviço expresso ", o atendimento mais rápido para o melhor pagador. Cirurgia cardíaca é caríssima. A qualidade da cirurgia e do coração, do doador, estão condicionados pelo preço no qual o cliente quer pagar. A prioridade cirúrgica também está condicionada pelo tipo de plano, isto é, o valor de pagamento. Quem paga por" plano VIP "tem preferência na cirurgia, mesmo que sua condição de saúde não comprometa sua vida. Quem não é" VIP "tem que aguardar sua vez, mesmo que a vida esteja e iminente perigo. Aqui poderá ingressar o ceticismo de Pirro ou questão de Capitalismo Liberdade. É livre quem tem mais, patrimônio, economia;
  • Indumentária — cada comunidade irá estabelecer qual indumentária é a padrão. Por exemplo, num certo bairro não há exigência de transitar com indumentária. Em outro bairro, a comunidade entende que a roupa deve cobrir todo o corpo, da cabeça aos pés.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Desde a primeira rede social, a extinta Orkut, percebo que houve um esforço de manter antigos comportamentos no Brasil." Odeio Nordestino ", por exemplo, foi uma das comunidades famosas." A Minha é Federal "também era outra comunidade famosa, pregava discriminações e preconceitos aos alunos das instituições privadas. A CRFB de 1988 trouxe, jamais visto no Brasil, dignidade para todos os brasileiros, independentemente de etnia, crença, sexualidade, condição econômica etc. — amparo legal: art. 1º, III, 3º, 5º, I, §§ 1º, 2º e 3º.

CRFB de 1988, mas antigas e seculares ideologias e condutas ainda permaneciam no inconsciente coletivo brasileiro. O Código Civil de 1916 foi revogado em 2001. A mulher, de"obediente ao homem"teve sua"alforria"pela CRFB de 1988 e, após 14 (quatorze) anos, pela promulgação do Código Civil de 2002, teve sua dignidade garantida. Nada disso! A Cultura da Violência à Mulher continuou. Autoridades públicas, enfim, a cultura brasileira, homens e mulheres, consideravam, até certo limite" saudável "(normose), o direito de o homem bater. De 1988 até 2005, a Cultura da Violência à Mulher continuava com sua trajetória. Somente em 2006, com a promulgação da Lei Maria da Penha, alguma esperança surgiu. Infelizmente, pela teimosia da Cultura, a Lei do Feminicídio teve que ser criada.

Se a CRFB de 1988 condenou explicitamente o racismo, a Cultura do Ódio ao Afrodescendente continuou. A internet servia aos mais horripilantes ataques racistas e preconceituosos, a situação não era muito diferente da realidade.

Em síntese, as minorias — LGBTs, mulheres, pessoas com necessidades especiais, afrodescendentes, indígenas, pessoas com outro tipo de crença, religião — ganharam proteção constitucional. As instituições democrática, pela primeira vez na História do Brasil Horror, garantiram proteções, não eficientes, às minorias. Contudo, a Cultura do Ódio continuou em sua" missão "de combater os" hereges "," desordeiros "," Inimigos da Maioria ".

Com a esquerda no Poder Executivo — infelizmente a esquerda, encabeçada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), traiu o povo com os inúmeros atos de corrupções —, desde 2003, os conservadores, ultrarradicais, aproveitaram-se dos crimes do PT para generalizar que não houve desenvolvimento nenhum, o que é sofisma: Brasil alcança os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Os conservadores, ultrarradicais, também se serviram da ignorância, secular, do povo brasileiro, a maioria dos cidadãos sem estudos, sem tempo para pesquisa, ou trabalha para comer ou estuda/pesquisa para saber, e, na condição de" menoridade "— Immanuel Kant, O que é o Iluminismo? —, seguem os líderes.

A nova persuasão dos ultraconservadores é usar o medo, como sempre, dos cidadãos" menores "(menoridade). O primeiro reclame de qualquer ser vivo é a fome, o medo de perder o que tem. Assim, para a Vida Boa do povo brasileiro, Conservador Liberal se apresenta como" salvação "da Pátria. Há muito tempo, aproveitadores da" menoridade "articulam mirabolantes planos para confundir os" menores ".

Recomendo ler e comparar:

Por outro lado, quanto ao" liberal "," conservador "nos costumes e" liberal "na economia, qual tipo de economia? Ter dinheiro no bolso e em contas bancárias enquanto a sociedade se torna sociedade de mercado? Quando se fala em" roubo "do Estado aos cidadãos, pelos impostos cobrados, não há nenhum deputado dizendo Um País Sem Excelência e Mordomias.

A professora Maria Sylvia Zanella Di Pietro leciona sobre imoralidade administrativa:

"Não é preciso penetrar na intenção do agente, porque do próprio objeto resulta a imoralidade. Isto ocorre quando o conteúdo de determinado ato contrariar o senso comum de honestidade, retidão, equilíbrio, justiça,respeito à dignidade do ser humano, à boa fé, ao trabalho, à ética das instituições. moralidade exige proporcionalidade entre os meios e os fins a atingir; entre os sacrifícios impostos à maioria dos cidadãos. Por Isso mesmo , a imoralidade salta aos olhos quando a Administração Pública é pródiga em despesas legais, porém inúteis, como propaganda ou mordomia,quando a população precisa de assistência médica, alimentação, moradia e segurança, educação, isso sem falar no mínimo indispensável à existência digna."(ALBUQUERQUE, Eric Samanho de. Direito Administrativo EricSamanho de Albuquerque Brasília Fortium 2008)


Será moral os supersalários e auxílios dos agentes públicos diante da secular miséria brasileira geradora de abissais desigualdades sociais? Por que Um País Com Excelências para os acabar com as misérias sociais no Brasil? Por que não há desenvolvimento, pelo menos, como há na Finlândia, na Suécia, na Suíça? EUA não é nenhum exemplo de" solução "para acabar com as desigualdades sociais. Há bons exemplos, como liberdade de expressão, direitos civis e políticos para os LGBTs, as mulheres heterossexuais etc. As garantias trabalhistas existem nos EUA (U.S. DEPARTMENT OF LABOR), não se trata de mimimi:

A Lei da Família e Licença Médica Administrada pela Divisão de Salários e Horas , a Lei de Licença Médica e Familiar (FMLA) exige que empregadores de 50 ou mais funcionários concedam até 12 semanas de licença não remunerada e protegida para emprego a funcionários elegíveis para o nascimento ou adoção de uma criança ou para a doença grave do empregado ou um cônjuge, filho ou pai.

E as leis de proteções aos trabalhadores existem; salário mínimo também existe. Aqui no Brasil, de forma maldosa (Filosofia da Alcova), tudo que se relaciona à proteção dos trabalhadores, sindicatos, salário mínimo etc.

O 13º salário nos EUA não é uma obrigação imposta pelo Estado; é livre negociação entre empregador e empregado. No Brasil, muitos empresários dizem que o 13º é um" roubo "imposto pelo Estado. É notório que a sonegação de impostos é algo assustador. Nos EUA, a sonegação é crime. No Brasil, a sonegação é um" direito natural ". Como pensar em" prejuízos ", irreparáveis, para os empresários se os próprios empresários sonegam impostos, principalmente pelo uso do" preço psicológico ".

Se há falta ou escassez de centavos, o preço psicológico coisifica a dignidade do consumidor. Por exemplo, de preço psicológico, R$ 1, 99 (um real e noventa e nove centavos). Não há moeda de R$ 0,01 (um centavo) em circulação, ou há escassez. Quando o lojista coloca este preço, não dá o centavo de troco, o consumidor, por vergonha nacional, não pede. Ciente da vergonha, o lojista sabe que ficará com o troco. Esse troco, desprezado pelo consumidor, não será contabilizado para declaração do imposto de renda. Ou seja, o lojista enriquece duas vezes: ao ficar com o troco e não declarar ao leão (Receita Federal). Acontece, com menos frequência, nos transportes públicos. Se o fornecedor não tem troco, deve diminuir o valor. Por exemplo, a corrida, Uber ou táxi, custa R$ 10, 45 (dez reais e quarenta e cinco centavos). Na falta de cinco centavos, o preço ao consumidor deve ser R$ 10, 40 (dez reais e quarenta centavos), para o consumidor ter o troco de R$ 0, 10 (dez reais), caso o pagamento seja com R$ 11, 00 (onze reais).

Nos EUA, o ator norte-americano Wesley Snipes foi condenado, em 2008, por três infrações tributárias.

A liberdade de expressão é um dos pilares da democracia. Contudo, quais os seus limites, quem criará uma lei para regular? O Marco Civil da Internet existe. Leis não faltam para a liberdade de expressão e abuso de liberdade de expressão. Todavia, defender ideologia com ódio, com expressões de matar, qual tipo de democracia queremos?

Se há legitimação em" matar comunistas ", pela força ideológica do utilitarismo cristão — penso não ser, realmente, cristãos — são válidos, de forma ética e moral:

  • Os cristãos mortos pelos romanos, no Império Romano;
  • Sócrates condenado a beber cicuta;
  • Barrabás atacar e matar todo os romanos;
  • Giordano Bruno queimado na fogueira;
  • Os intermináveis guilhotinamentos na Revolução Francesa (1789);
  • A eugenia, no início do século XX, na maioria dos países;
  • A eugenia nazista;
  • A eugenia brasileira (art. 138, b, da Constituição Federal de 1934);
  • O Holocausto de Holonodor;
  • O Holocausto Britânico.

Qual tipo de utilitarismo após 2018?

Sobre 'ser ético':

Ética é o conjunto de valores e princípios que usamos para responder a três grandes questões da vida: (1) quero?; (2) devo?; (3) posso?

Nem tudo que eu quero eu posso; nem tudo que eu posso eu devo; e nem tudo que eu devo eu quero. Você tem paz de espírito quando aquilo que você quer é ao mesmo tempo o que você pode e o que você deve. (Mario Sérgio Cortella)

COMPREENSÃO SOBRE ÉTICA

Três exemplos de ética:

1) Império Romano (27 a.C. - 476 d.C.), dois cidadãos romanos:

(1) quero?;

(2) devo?;

(3) posso?

Quero queimar um cristão?

Devo? Sim!

Posso? Posso!

Para os romanos (a.C.), queimar ou jogar cristão aos leões: diversão, prazer, agir 'corretamente'.

2) Dois cristãos, dentro dos muros da Cidade de Roma Antiga:

(1) quero?;

(2) devo?;

(3) posso?

Quero queimar um romano?

Devo? Não!

Posso? Não!

Os primeiros cristãos aplicavam, ao pé da letra, os ensinamentos de Jesus de Nazaré. Por mais que o ódio surgia, nos pensamentos e nos sentimentos, ao ver romanos rindo de cristãos devorados pelas veras, Cristo, por meio de Jesus, ensinou 'perdão', 'amor', 'todos são ignorantes', 'pegue a sua cruz' etc. Não havia dualismo: ou cristão, ou Barrabás.

3) Dois católicos, na Idade Média:

(1) quero?;

(2) devo?;

(3) posso?

Quero chamar um judeu de assassino?

Devo? Sim!

Posso? Sim!

Antes da DECLARAÇÃO NOSTRA AETATE, séculos de antijudaísmo. Os judeus eram 'impuros', 'assassinos de Jesus' etc.

Compreende-se, ética é conforme os 'ânimos' — psiquismo, valores sociais de 'certo' ou 'errado' — de cada cultura. A ética não é imutável, como é possível constatar nos exemplos acima.

É possível, pela liberdade de expressão, responsável, libertários e conservadores tecerem comentários para fazer com que cada pessoa pense por si. A exploração do medo, por qualquer crença, filosofia, não é mais possível. Não é mais possível falar em Guerra de Ideologias, como acontece não somente no Brasil, enquanto o núcleo do desenvolvimento humano fica comprometido, o próprio ser humano. Hannah Arendt alertou, inúmeras vezes, a humanidade sobre totalitarismos, exploração do medo, da superstição. Einstein também alertava sobre a" menoridade ", do medo, da superlativação. Buda e Immanuel Kant também alertaram. Não faltam exemplos para" sair da menoridade ". Falta, sim, coragem para atingir a" maioridade ".

Há diferença entre racismo e preconceito. Nas entrevistas percebo despreparo dos entrevistadores sobre certos temas. Por exemplo, não há racismo em aceitar os LGBTs, pois racismo é banimento, distanciamento do convívio. Preconceito é a tolerância dos LGBTs na sociedade, desde o momento em que não sejam LGBTs, isto é, desde o momento que se comportem respeitando a heteronormatividade.

Não há racismo contra afrodescendente, desde o momento em que cada afrodescendente não viole o" contrato social europeu ". Há preconceito, por exemplo, quando afrodescendente resgatar suas origens, como praticar religiões de matizes africanas.

Na há racismo contra as feministas. Há preconceito quando elas querem, na prática, os mesmos direitos (art. , I, da CRFB de 1988). Recomendo ler Declaração dos direitos da mulher e da cidadã - 1791 e Carta das Mulheres.

E aqui transcrevo, infelizmente pedir o link, um comentário muito lúcido sobre a Onda da Menoridade sobre a Organização das Nações Unidas (ONU):

Notável ver advogados vivendo em tempos quando o Brasil ainda não tinha ratificada a Convenção de Viena Sobre Direito dos Tratados de 1969, e não pense ninguém que o Brasil, o Congresso emitiu o decreto legislativo de ratificação, após décadas, por boa-fé e boa vontade.
Aos soberanistas incautos, bom lembar que o que mantém nossas fronteiras, o que mantém nossa integridade territorial não são as nossas sucateadas forças armadas, é a diplomacia. A partir do momento que Bolívia, Paraguai, Venezuela, Peru, Argentina, Uruguai, resolvam que as fronteiras do Brasil são lei interna e não tem proteção do direito internacional, e resolvam invadir essa bagaça... o Brasil vai apelar à ONU, ao Conselho de Segurança... a mesma ONU que alguns anos querem que o Brasil se retire.


No vídeo acima, pensemos.

Leia também:

Notas:

(1) — G1. AutoEsporte. Escândalo da Volkswagen: como o 'dieselgate' começou e as consequências. Disponível em: http://g1.globo.com/carros/noticia/2015/09/escandalo-da-volkswagen-vejaopasso-passo-do-caso.html

(2) — BBC Brasil. Poluição do ar chega aos bebês durante a gravidez, indica estudo. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-45606976

(3) — Youtube. O lado moral do Capitalismo com Milton Friedman. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=keu07h67plU&t=244s

(4) — WARBURTON, Nigel. Uma Breve História Da Filosofia. L&PM, 2012.

Referências:

SANDEL, Michael J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015

STUDENTS FOR LIBERTS. Libertários e o casamento gay. Disponível em: disponível em: https://www.studentsforliberty.org/libertarios-casamento-gay

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)